As Misericóridas
As Santas Casas de Misericórdia surgiram com a criação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (Portugal) em 15 de agosto de 1498. Essas irmandades, ou confrarias, nasceram como organizações comunitárias, com pressupostos religiosos baseados nas 14 obras de Misericórdias de inspiração bíblica, organizadas por Tomás de Aquino centrando-se a sua intervenção inicial essencialmente na assistência aos pobres e aos presos.

As Misericórdias tornaram-se responsáveis pela administração hospitalar de Portugal, sobretudo a partir da década de 60 do século XVI. Expandindo-se rapidamente pelos centros urbanos, o modelo de assistência das Misericórdias lusitanas foi igualmente exportado para suas colônias.

No Brasil
À partir da nomeação pela Coroa Portuguesa de um governador-geral, com a finalidade de organizar o território e tornar o povoamento do Brasil mais eficaz, começaram a surgir as cidades ao longo da costa, desenvolvendo-se importantes atividades comerciais. Tal como em outras colónias portuguesas, nas cidades mais importantes criava-se uma Câmara Municipal e uma Santa Casa de Misericórdia. Estas duas instituições reproduziam o modo social da metrópole, conformavam o comportamento das pessoas e organizavam a gestão do Império.

No Brasil, a primeira a ser fundada foi a Santa Casa de Misericórdia da Vila de Olinda, por volta de 1539, entretanto, não existe documentação oficial que comprove ter sido esta a data da sua fundação. Portanto, oficialmente a de Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Santos, com fundação em 1543, é considerada a primeira do Brasil.

A Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Fernandópolis
Seguindo os ideais das Misericórdias, no verão verão de 1948, mais precisamente no dia 1º de fevereiro, apenas nove anos após a fundação da cidade de Fernandópolis, um grupo formado por cerca de 110 homens ilustres se reuniram e decidiram pela fundação da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Fernandópolis.

Com o envolvimento de todos, movimentos pelo sentimento de solidariedades, os Irmãos foram a campo, para angariar donativos para a construção do Hospital Santa Casa, recebendo o pontapé inicial em 1952 com a doação de um terreno no antigo Bairro da Estação, pelo Sr. Afonso Cáfaro, sendo tal local considerado estratégico para as instalações hospitalares. No dia 22 de junho do mesmo ano, com a presença da Irmandade, da comunidade e do então Bispo da Diocese de São José do Rio Preto, Dom Lafaiete Libâneo, foi lançada a pedra fundamental da construção, cuja obra final foi inaugurada em 28 de fevereiro de 1956.

Atualmente
A Santa Casa de Fernandópolis é um hospital de grande porte que presta atendimento nos níveis secundário e terciário ao Sistema Único de Saúde (SUS), planos de saúde e particulares. É referência para a região Noroeste do Estado de São Paulo, além de atender cidades das regiões de Mato Grosso, Minas e Goiás, em razão de suas características voltadas para o atendimento de urgência, emergência e alta complexidade. O Hospital de Ensino Santa Casa de Fernandópolis desenvolve também programa nas áreas de educação, oferecendo campo de estágio para os cursos de Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Serviço Social, Bioquímica, Medicina e residência em moldes de internato. Assim, a entidade contribui para a capacitação dos profissionais, elevando a qualidade dos serviços prestados à população.

Hospital Ensino
Por meio da Portaria Interministerial número 1.635, de 6 de agosto de 2013, e publicada um dia depois no Diário Oficial da União, a Santa Casa de Fernandópolis foi credenciado pelos Ministérios da Educação e da Saúde para atuar como Hospital Ensino, sendo motivo de grande orgulho para Fernandópolis e toda região. Conforme documento assinado pelos ministros Aloizio Mercadante, da Educação, e Alexandre Padilha, da Saúde, a certificação tem validade de dois anos, podendo ser renovada.